7 Motivos para fazer aulas de dança

Para quem acha um tédio fazer sempre a mesma sequência de exercícios nos aparelhos da academia, uma boa opção para definir o corpo e ainda perder peso é praticar uma dança. Com tantos estilos diferentes, basta que você escolha a modalidade que mais lhe agrada.

Aí o exercício vira diversão e nem dá para ver o tempo passar! De acordo com a professora Helô Gouveia, do Estúdio Anacã, para ver os resultados o ideal é fazer aulas três vezes por semana. E a partir dos 40 anos, é idança-de-salãondicado aliar à musculação, que também ajuda a evitar lesões. Confira as vantagens de praticar a modalidade:

1. Perder peso e tonificar o corpo

Em algumas modalidades é possível gastar até 700kcal/hora e ter um corpo modelado e definido. “As aulas aeróbicas são as mais indicadas, porque elas mantêm os batimentos cardíacos acelerados e estáveis, como o Walk Dance, Hip Hop, Aerojazz, Zumba e Zouk”, explica a professora. Outros estilos, como Salsa, Balé e Dança do Ventre também são ótimos para relaxar e perder peso.

Stress

2. Ajuda a reduzir o estresse e a ansiedade

Um dos benefícios do exercício é diminuir a tensão e relaxar a musculatura. Além disso, a dança estimula a concentração, acalma e tranquiliza, diminuindo a ansiedade acumulada durante o dia. É um exercício que faz bem para o corpo e para a mente!

 

3. Melhora a autoestima

Os alunos se sentem mais confiantes com a mudança no corpo e conseguem até mesmo se expressar melhor, pois a dança permite uma liberdade de movimentos desconhecidos até então.

4. Aumenta a capacidade sanguínea e faz bem ao coração

Algumas modalidades de dança aumentam a frequência cardíaca equivalente a uma aula aeróbica, por exemplo. Também estimulam acirculação do sangue e melhoram a capacidade respiratória.

5. Combate a depressão

A dança tem a capacidade de ligar o corpo, a mente e o espírito. Além do benefício físico traz também paz interior e mexe bastante com o emocional e é capaz de colocar sentimentos para fora. Algumas alunas acabam até trocando a terapia pela dança.

 

Cena do filme Kickboxer

 

6. Pode ser praticado por qualquer pessoa em qualquer idade

Hoje existem diversos tipos de danças que podem se enquadrar em qualquer necessidade. Crianças, adultos e idosos, desde que tenham o acompanhamento e instruções de um profissional capacitado, podem praticar até mesmo mais de uma modalidade.

7. Ajuda a fazer novos amigos e socializar

A prática de um exercício em grupo ajuda na socialização e a pensar em conjunto, além de ser uma ótima forma de fazer novas amizades, sempre bem vindas. E não se preocupe: se quiser fazer dança de salão, você não precisa ter um parceiro. “Normalmente existem bolsistas a disposição para acompanhar, mas muitas vezes existe um rodízio entre damas e cavalheiros”, afirma Helô.

 

Que roupa devo usar?

Para praticar exercícios, nada melhor do que peças confortáveis e que permitam movimentos, sempre adequadas ao estilo que você escolheu. “Principalmente sapatos adequados, como sapatilhas, tênis de jazz ou meiões para evitar lesões”, ressalta Helô. Quando começar a praticar a dança, pergunte ao seu professor qual a melhor vestimenta para as aulas.

Fonte: http://mdemulher.abril.com.br

Por Gabriela Kimura

 

Dança do Ventre, 10 motivos para praticar!

dançadoventre1

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

1 – Perca a timidez e faça novas amigas!
As aulas de dança do ventre farão com que você desenvolva a sua capacidade de se relacionar mais em grupo, já que ao dançar você terá que deixar a timidez de lado e socializar com suas colegas de aula e logo com o publico que futuramente irá prestigia-la.

2 – Desperte sua Sensualidade.
Esta dança vai despertar ainda mais a sua feminilidade, a sutileza e os movimentos leves da dança irão fazer aflorar ainda mais a essência de ser mulher, não há outra dança que trabalhe tão bem esse aspecto como a dança do ventre.

3 – Autoestima Imbatível!
Esta modalidade trabalha a mulher de dentro para fora e vai melhorar a sua autoestima, e fazer você gostar cada dia mais do seu corpo.

4 – Melhore sua Consciência Corporal.
Você vai melhorar e muito a sua consciência corporal e sua coordenação motora, afinal não é fácil isolar as partes de seu corpo fazendo movimentos diferenciados, a dança do ventre exige concentração e muita habilidade e em 3 meses você já vai sentir a diferença.

5 – Modele seu Corpo.
Os exercícios de uma aula de Dança do Ventre são capazes de tonificar e enrijecer músculos dos braços e do abdômen, afinar a cintura e fortalecer diversas partes de seu corpo, além de queimar calorias, então se associado a uma alimentação balanceada leva ao emagrecimento.

6 – Torne-se mais Flexível.
Um corpo flexível significa mais saúde e bem-estar, pois diminui os riscos de lesões, sendo assim é inegável a importância da flexibilidade para uma boa performance na dança do ventre pois a modalidade requer uma alta solicitação de movimentos de rotação externa, flexão, extensão do quadril além de outras partes do corpo, então a pratica regular irá melhorar e muito sua flexibilidade.

7 – Promoção da Saúde.
A prática regular aumenta a circulação sanguínea, relaxa o corpo, alivia a insônia e a prisão de ventre além de combater o estresse.

8 – Saúde Física e Mental.
Dançar desenvolve o raciocínio rápido, desenvolve a criatividade e auxilia na liberação da endorfina que é o hormônio que promove o bem estar e o prazer.

9 – Felicidade Plena.
É comprovado que dançar combate a depressão, estimula o convívio social melhora o humor e aumenta a alegria de viver.

10 – O melhor de tudo!
Dançar não tem idade.
Não há limite para começar a dançar, toda mulher pode praticar Dança do Ventre aos 13, 20, 30, 40, 60…

Então vamos começar? Aqui na Dance Sempre você tem variedade de horários, planos flexíveis para praticar!

Confira os horários em http://dancesempre.com/horario/danca-do-ventre e venha fazer uma aula experimental gratuita!

O que é a dança contemporânea?

A dança contemporânea é uma coleção de sistemas e métodos desenvolvidos da dança moderna e pós-moderna, ela é muito mais que uma técnica específica, mais até que os outros tipos reafirmam a especificidade da arte da dança.

Dança contemporânea não é teatro, nem cinema e muito menos literatura, não precisa de mensagem, de histórias e uma trilha sonora completa, como ocorre na dança clássica, onde o bailarino geralmente executa coreografias prontas e segue um roteiro coreográfico pré-concebido, diferentemente da dança contemporânea onde o corpo em movimento estabelece sua própria dramaturgia, musicalidade e história, criando outro tipo de vocabulário e sintaxe.

Para a ciência o pensamento se faz no corpo e o corpo que dança se faz pensamento, ou seja, completam-se, isso se evidencia nesse estilo de dança. Ela não se define em técnicas ou movimentos específicos, pois o bailarino tem autonomia para construir suas próprias particularidades coreográficas.

dancacontemporanea2A liberdade trazida pela perspectiva não significa que ela
ignora as ideias fortes e a inventividade das grandes obras de qualquer forma artística, nem mesmo um domínio técnico. O corpo na dança contemporânea é constituído na maioria das vezes a partir de técnicas somáticas, assim trazem o trabalho da conscientização corporal e do movimento. Para Jean George Noverre, um grande pioneiro da dança contemporânea, é necessário a transgressão das regras. Ele diz que será preciso transgredi-las e delas se afastar constantemente, opondo-se sempre que deixarem de seguir exatamente os movimentos da alma, que não se limitam necessariamente a um número determinado de gestos, isto é, não perder um determinado ponto, deixar o corpo fluir sem limites de acordo com os movimentos, não apenas executá-los e sim senti-los.

dancacontemporaneaNum mundo em constante mudança, onde se tem diariamente tantas
conquistas e descobertas sobre nós, ficar tratando a dança como apenas uma repetição mecânica de passos bem executados é reduzi-la a algo menor, ou seja,  assim como as pessoas mudam durante o tempo, a dança também muda. Portanto, o ser humano pode usufruir mais de suas habilidades criativas e ir bem mais
longe.

Esta é a proposta da dança contemporânea, na medida em que dá mais
liberdade ao bailarino, o incentiva a ir além dos seus limites e a cada dia
evoluir junto com a dança.

Texto de Francielly Farias

Fonte: http://www.escolabolshoi.com.br/bolshoi/Portugues/detPostagens.php?c=MjA2NA%3D%3D

Sete motivos para escolher o ballet como o seu exercício físico

Dança corrige a postura, previne dores nas costas e define os músculos

Difícil arranjar um exercício mais completo do que a natação – o exercício trabalha os músculos do corpo todo, exige melhora da respiração e estimula o condicionamento cardiovascular. Mas um estudo da Universidade de Hertfordshire, no Reino Unido, conseguiu encontrar uma atividade ainda mais eficiente: o ballet clássico. A equipe de pesquisadores comparou o desempenho de membros da famosa academia Royal Ballet com o de nadadores da seleção olímpica britânica. Os bailarinos apresentaram melhores resultados em sete de dez medidas de condicionamento físico analisadas, como equilíbrio psicológico, flexibilidade e equilíbrio corporal.

“A técnica é indicada tanto para crianças como para adultos por ser uma atividade física que trabalha todo o corpo, como poucas modalidades esportivas fazem”, afirma o ortopedista Marcelo Cavalheiro, da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia. Conheça os benefícios que você pode esperar ao eleger o ballet como a sua opção de exercício físico.

1 – Respiração de atleta

Dançar uma música clássica é calmo para quem assiste, mas quem dança escorre suor e precisa de um fôlego danado para terminar uma coreografia cheia de saltos, piruetas e outros passos difíceis. Por isso, faz parte das aulas aprender a respirar aproveitando o máximo possível da capacidade do diafragma: coloque a mão um pouco acima da sua cintura e procure inspirar pelo nariz, empurrando a mão para fora. Na hora de soltar o ar, contraia como se quisesse encostar uma mão na outra. “Essa respiração é um ótimo trabalho de todo o sistema cardiovascular e respiratório”, afirma Marcelo Cavalheiro.

ballet1

2 – Postura perfeita

ballet2Dor nas costas causada pela má postura é um problema que dificilmente perturba bailarinos. “O ballet clássico trabalha os principais grupos musculares responsáveis pela manutenção da postura, que são a musculatura abdominal, peitoral e das costas”, afirma a professora de ballet Mariana Bastos, coordenadora pedagógica do Ballet Paula Castro, de São Paulo. “Os alunos são estimulados a manter a postura correta, com abdômen contraído, quadril ‘encaixado’ e coluna alinhada.” O ortopedista Marcelo também explica que esse alinhamento de todo o corpo faz com que garante um ótimo equilíbrio corporal. “O aluno consegue realizar as atividades do dia a dia com movimentos mais precisos, articulações protegidas e menor gasto de energia”, afirma.

3 – Músculos trabalhados

ballet3Engana-se quem acredita na aparência frágil dos bailarinos. “O ballet promove hipertrofia, ou seja, aumenta e fortalece os músculos tanto quanto a musculação”, afirma o ortopedista Marcelo. Além de toda a musculatura responsável pela postura, Mariana Bastos afirma que a técnica estimula tantos os membros inferiores quanto superiores, por conta de exercícios de salto, sustentação em determinadas posições e força nos braços para carregar as bailarinas (nos casos dos homens).

4 – Barriga chapada

ballet4Bailarino com barriga saliente é algo raro de ser ver. Primeiro porque a postura correta é cobrada o tempo todo nas aulas, o que inclui encolher a barriga. Segundo, porque é uma atividade física como qualquer outra que proporciona queima de calorias. Para conseguir bons resultados, no entanto, é preciso fazer aulas regularmente, de duas a três vezes por semana, no mínimo.

5 – Flexibilidade

ballet5Segundo o ortopedista Marcelo, não adianta ser apenas forte ou ter músculos elásticos, é preciso ter equilíbrio muscular. “Nesse ponto, o ballet pode ser melhor até que a musculação de academia, porque alonga e trabalha os músculos ao mesmo tempo”, afirma. Como resultado, os grupos musculares não ficam encurtados e há menor risco de lesões. “A flexibilidade é trabalhada em todos os exercícios de balé porque os movimentos precisam ser realizados com grande amplitude”, afirma a professora de ballet Mariana.

6 – Bem-estar e percepção corporal

ballet6Por ser ao mesmo tempo uma atividade prazerosa – os movimentos acontecem de acordo com o compasso da música – e um exercício físico que libera endorfina, uma substância responsável pelo prazer, o ballet proporciona muito bem-estar. “A técnica também ajuda a melhorar a autoestima e a percepção corporal, pois é preciso ter consciência de todas as partes do corpo para realizar os exercícios”, afirma Mariana Bastos.

7 – Agilidade e coordenação motora

ballet7Conforme o aluno consegue aprender e executar os exercícios básicos de ballet, os passos vão ficando mais difíceis. “A complexidade dos movimentos aumenta em cada estágio, exigindo cada vez mais agilidade e coordenação motora”, comenta a professora de ballet Mariana. Também é preciso dominar bem a técnica porque, por mais que os exercícios sejam difíceis de executar, o bailarino precisa realizar cada movimento de forma leve e sutil, sem mostrar o esforço que está fazendo. “A ideia que se transmite ao público é de uma arte delicada e elegante”, lembra Mariana.

Fonte: http://www.minhavida.com.br

O que dançar traz de bom para a vida?

o-que-dancar-traz-de-bom-para-a-vidaPor Flavia Paradela

Antes de elaborar qualquer alfabeto escrito, o ser humano dispunha de uma complexa ferramenta, porém de infinitas possibilidades de expressão: o corpo.
Usando a emissão de sons guturais ou monossilábicos, explorando seu gestual de forma espontânea ou codificada, os primeiros habitantes da Terra buscaram comunicação entre si e com o Incognoscível.

Dançar para conseguir a caça (o alimento), dançar para os deuses e deusas da natureza, dançar para a procriação, dançar para a guerra, para comemorar a colheita.
Assim como criaram utensílios que facilitassem as atividades diárias, hoje recebendo a denominação de objeto de arte nos museus, a dança era parte integrante da vida nos primeiros tempos, antes de ser projetada para espaços específicos para sua apreciação.

dançarOnde foi que perdemos a conexão com o nosso corpo e com o movimento inerente a ele?

Uma das explicações pode estar em quando o homem deixa o nomadismo para fixar-se em lugares onde possa cultivar ou extrair algo, criando sua prole, listando agregados, e assim elaborando ações que organizem estes pequenos grupos que aí se formam, já esboçando o que entenderíamos como sociedade posteriormente.

Na Grécia, berço de muitas ideias que temos permeado em nosso tempo desde então, surge o conceito de sociedade, com leis que determinam quem é cidadão, seus direitos e deveres, qual a posição de cada elemento neste contexto e suas funções.

No início tínhamos o comando das tribos através do matriarcado, onde respeito e sabedoria eram recebidos com reverência e não aceitos através do medo, injetado com a ocupação pelo patriarcado.

No matriarcado, a ideia de união do masculino e feminino em cada ser era algo natural, enquanto no patriarcado é feito um corte, soterrando o culto à Grande Deusa e todos os rituais (incluindo a dança como forma de oração) a ela relacionados, segregando estas partes, que por si só são inseparáveis.

Hoje, apesar de ainda vivermos tantas formas de preconceito, há uma abertura de consciência entre homens e mulheres, mesmo que tardiamente, onde se permitem vivenciar seu gesto, corpo, movimento nas mais variadas modalidades de dança existentes.

Deixando um pouco de lado a busca estética da dança, que se conquista através de maior disponibilidade de tempo para treino contínuo, o ato de dançar contribui para um movimento energético interno, fazendo circular o que estava parado, aumentando o fluxo de respiração, oxigenação do cérebro, ligações sinápticas, propiciando um mover-se mais fluído, pensamentos mais claros, coerência entre mente e gesto.

balletDançar provoca ainda um olhar mais atento para tudo ao nosso redor, assim como o que nos acomete pelo lado de dentro: onde estão os pontos fracos e fortes, onde há maior rigidez ou flexibilidade, quais canais de percepção atuantes, o que de ambos os lados (dentro e fora de mim) se repelem ou se aproximam e que são combustíveis para o agir ou não-agir.

 

Dançar propicia a integração. O eu comigo mesmo, o eu com o outro, o eu com o mundo.

Somos todos, peças de uma mesma engrenagem, que está em constante movimento e sempre faz a cada um o convite de permitirmo-nos as infinitas possibilidades que a vida oferece a cada instante.

Estagnação foi um conceito criado e cultuado pelo homem, porém, o Universo cria sua própria dança sempre que o movimento se faz necessário.

Reconhecer que há em si a porção masculina e feminina, cada um com as atribuições que lhe são específicas, porém complementares, é parte deste processo de integração.

Aproximar mente-corpo-espírito é unir elos fundamentais para uma vida criativa, próspera, equilibrada, e a dança nos dá este caminho.

Sabe aquela música que quando vocês ouvem sempre uma parte do seu corpo se manifesta, convidando-o a dançar? Pois então! Coloque-a em alto e bom som (mesmo que com fones de ouvido para não perturbar o vizinho) e ponha-se à mexer, sem se importar com considerações de qualquer natureza.

O melhor de tudo será a sensação de alegria e bem estar que isto trará a você!

Dance por qualquer razão, pois o corpo não cria distinção ao expressar-se, e sim viabiliza a inclusão do que faz uma totalidade.

Por Equipe Instituto Biosegredo

Fonte: http://horoscopovirtual.uol.com.br/artigos/o-que-dancar-traz-de-bom-para-a-vida

Top 10 filmes sobre dança

mosaico-filmes-danca

Há filmes que mexem conosco e há filmes que mexem conosco literalmente! A magia da dança sempre contagiou os realizadores de Hollywood, que não se cansaram de produzir histórias dançantes com atores naturalmente talentosos e outros que tiveram de aprender a dançar para nos mostrarem o que valem e que,  não se saíram nada mal.

1. Saturday Night Fever – “Febre de Sábado à Noite” (1977)

saturday-night-fever John Travolta, no papel de Tony Manero é um mecânico que se transforma em um dançarino aplaudido, nas fervorosas noites de sábado nos loucos anos 70. Claro que uma pista de dança não está completa sem um par, por isso, Tony conhece Stephanie (Karen Lynn Gorney) e juntos competem numa prova de dança, apoiando-se mutuamente para que possam perseguir os seus sonhos, tanto dentro como fora das discotecas. Numa época em que reinava o poliéster, as calças  boca-de-sino e as bolas espelhadas, ainda há muito para se aprender.

2. Flashdance (1983)

flashdanceO clássico de todos os clássicos e um fiel retrato dos anos 80, Flashdance conta a história da Alex Owens (Jennifer Beals), uma mulher que de dia trabalha como soldadora e à noite é dançarina, enquanto sonha conseguir um lugar numa prestigiada companhia de dança. Motivada pelo seu chefe/namorado, Nick Hurley (Michael Nouri), Alex dança até não poder mais, até concretizar o seu sonho.

3. Strictly Ballroom (1992)

strictly-ballroomSe você adora danças de salão, este filme é para você. Não falta nada nesta comédia romântica australiana – desde roupas e sapatos fantásticos, a coreografias cativantes  – onde o dançarino profissional Scott Hastings (Paul Mercurio) e a sua aprendiza Fran (Tara Morice) ousam desafiar todas as convenções das tradicionais danças de salão.

4. Dirty Dancing (1997)

dirty-dancingUm clássico que dispensa apresentações, ao som da música e com a paixão pela arte de dançar a correr-lhes pelas veias, Francis “Baby” Houseman (Jennifer Grey) e Johnny Castle (Patrick Swayze) sabem o que estão a fazer e querem que o mundo saiba. Francis é uma jovem proveniente de uma família prestigiada que se apaixona pelo seu instrutor de dança, Johnny, num campo de férias. O resto, como se costuma dizer, é dança

5. Dance With Me (1998)

dance-with-meNum filme romanticamente latino, não podia faltar uma boa dose de dança sensual. Com a morte da mãe, o cubano Rafael parte para Houston em busca do seu pai, John, que desconhece a sua existência. John é dono de um estúdio de dança que fervilha com a excitação e os preparativos em torno de um campeonato que vai decorrer em Las Vegas. E como filho de peixe sabe nadar, Rafael mostra que nasceu para dançar, lado a lado com a estrela do estúdio Ruby, protagonizada pela bela Vanessa Williams. Com muitos ensaios, vários estilos e coreografias espetaculares, este é o filme que o vai levar a inscrever-se finalmente em aulas de dança.

6. Center Stage (2000)

center-stageNo meio do palco deste filme estão três jovens – Jodie, Eva e Maureen – que procuram o sucesso e a fama na prestigiada Academia Americana de Ballet… e depressa aprendem que a dança está cheia de obstáculos inesperados. Os movimentos, poses, posturas e trabalho de pés extraordinário é uma lufada de ar fresco que vai deixar todos a desejar terem dançado pelo mesmo caminho artístico. Acima de tudo, esta história mostra que a dança tem de ser um prazer e não um dever… aliás é mesmo assim que a imaginamos, não é?

7. Save the Last Dance – “Ao Ritmo do Hip-Hop” (2001)

save-the-last-danceDepois da morte da mãe, Sara (Julia Stiles) vê-se obrigada a ir viver com o pai. Consumida pelos remorsos – a mãe morreu num acidente de viação a caminho de um dos seus espetáculos de dança – a bailarina arruma os seus sapatos… até conhecer Derek (Sean Patrick Thomas), um jovem apaixonado pelo hip-hop e pela vida. Com uma química inquestionável entre ambos, só podiam mesmo entregar-se ao ritmo do hip-hop e não só. Apesar de ser um romance juvenil, a qualidade da dança neste filme é extraordinária…

8. Shall We Dance – Vamos Dançar? (2004)

shall-we-danceJohn Clark (Richard Gere) é um homem que tem tudo, incluindo a felicidade, mas na viagem diária entre o trabalho e a casa, cruza olhares com uma bela mulher num estúdio de dança, o que o leva a inscrever-se no mesmo. A linda Paulina (Jennifer Lopez) que acaba por ser a sua instrutora. John depressa percebe que o que lhe faltava na vida não era um affair, mas sim uma nova paixão… a paixão pela dança. Obcecado com o seu novo hobby, John trava uma amizade sincera com Paulina e começa a treinar para uma importante competição… sempre às escondidas dos familiares e amigos. Claro que a sua mulher Beverly (Susan Sarandon) rapidamente percebe o estranho comportamento do seu marido… será que ela vai aprovar os passos que o marido tem andado a dar?

9. Mad Hot Ballroom (2005)

mad-hot-ballroomQualquer pessoa – nova ou velha, homem ou mulher – pode aprender a dançar: é essa a valiosa e divertida lição deste documentário que registra como um grupo de crianças de 11 anos, provenientes de três escolas públicas de Nova Iorque, aprenderam a dançar em muito pouco tempo. Inicialmente relutantes em entregarem-se ao tango e ao swing,  vê-los transformarem-se em damas e cavaleiros para se apresentarem, com pompa e circunstância, no campeonato final da cidade. De fazer abrir bem os olhos e deixar muitas bocas abertas, talvez esteja aqui a motivação que lhe falta…

10. Step Up (2006)

step-upO acaso junta Tyler Gage, um adolescente rebelde a cumprir serviço comunitário e Nora Clark, uma bailarina de ballet de enorme talento. Ele precisa de encontrar o seu rumo na vida, ela precisa de um parceiro, para convencer, de uma vez por todas, o mundo da dança. Será que a pista os consegue juntar? Realizado por Anne Fletcher e protagonizado por Channing Tatum, Jenna Dewan, Domaine Radcliff, De’shawn Washington, Drew Sidora, Rachael Griffiths, mais de hora e meia de bons ritmos, algum romance e uma cena numa discoteca que não pode perder…

Não perca mais tempo e venha aprender a dançar aqui na Dance Sempre!

Texto publicado originalmente em: http://passobase.com/artigos/top-10-filmes-sobre-danca

Quer se tornar mais inteligente? Então, DANCE!

Sim, é verdade. Quem encarava a dança exclusivamente como uma atividade física, precisa rever os seus conceitos: a dança é um dos meios mais prazerosos de aumentar as suas capacidades cerebrais. Vamos entender o porquê disso? Primeiramente, quando você dança, o seu cérebro “dança” junto com você! Enquanto ele “dança”, está se mantendo saudável e ativo.  Em uma linguagem mais técnica, a “dança” do cérebro promove um aumento da conectividade e da reestruturação entre as várias regiões do cérebro e  seus neurônios, resultando numa comunicação mais eficaz entre eles e consequentemente em um raciocínio mais rápido. Observe como funcionam algumas regiões do cérebro de quem dança:

corebox3* VÉRMIS ANTERIOR – Esta parte do cerebelo recebe informações da medula espinhal e aparentemente age como se fosse um metrônomo, ajudando a sincronizar os passos de dança à música.

* NÚCLEO GENICULADO MEDIAL – Uma interrupção ao longo da via auditiva inferior, esta área aparentemente ajuda a configurar o metrônomo do cérebro e é responsável por nossa tendência para tamborilar os dedos inconscientemente ou balançar o corpo ao ritmo de uma música. Reagimos inconscientemente, pois a região está conectada ao cerebelo, comunicando informações sobre o ritmo sem “falar” com as áreas auditivas superiores no córtex.
* PRECUNEUS – Por conter um mapa baseado nos estímulos sensoriais do próprio corpo, o precuneus ajuda a identificar o trajeto de um dançarino a partir de uma perspectiva voltada para o  corpo, ou egocêntrica.
Jean Piaget, o grande pensador suíço conhecido por organizar o desenvolvimento cognitivo em uma série de estágios, declarou que a inteligência é aquilo que usamos quando não sabemos o que fazer. Logo, para ser inteligente é preciso saber tomar decisões rápidas, certo? Imagine então um casal de tango se movimentando em um salão: cada movimento realizado ali exige uma vasta gama de decisões rápidas, tanto para quem conduz quanto para quem é conduzido.  Pense também em um casal de bailarinos clássicos: a bailarina está sob a ponta dos pés, o que implica em uma mudança de eixo constante a cada movimento que ela realiza. O bailarino, cuja função é segurá-la, precisa ser rápido e perspicaz para acompanhar essa mudança de eixo e conseguir tornar o movimento da bailarina ainda mais leve e suave.
dança-de-salão A dança integra várias funções cerebrais ao mesmo tempo.  Ela envolve simultaneamente processos sinestésicos, racionais, musicais e emocionais. Dançar exige um tipo de coordenação interpessoal no espaço e tempo quase inexistente em outros contextos sociais. Durante um espetáculo, uma bailarina movimenta todos os músculos do seu corpo e muitas vezes, em direções opostas e intensidades diferentes. Apesar de o público ter a impressão de que tudo que ela está fazendo é simples e fácil, o seu cérebro está a todo vapor pensando em cada movimento que precisa ser realizado, tentando esquecer as dores das lesões recorrentes dos treinamentos e ainda por cima, preocupado em transmitir  os sentimentos e as emoções da personagem que ela está interpretando.  A vida dos bailarinos não é nada fácil!
Ainda tem mais, todo bailarino é um pouco músico também, pois consegue executar cada movimento simultaneamente a cada nota musical tocada. Seu corpo é o seu instrumento. É preciso muita atenção e muita concentração para essa conexão rítmica acontecer, o que implica que para dançar também é preciso um enorme autocontrole físico e emocional. Não é a toa que na Antiguidade, os gregos  acreditavam que dos melhores bailarinos se faziam os melhores guerreiros.

Além de todos esses benefícios, ainda existe mais um último: dançar estimula a criatividade.  Vale lembrar que estamos em pleno século XXI, onde ser criativo é pré-requisito para se obter sucesso em qualquer carreira.  O filósofo francês Paul Valéry sintetiza isso em uma única frase: “Um homem de negócios é um cruzamento entre um dançarino e uma máquina de calcular”.

danças-urbanasPortanto, agora que você já tem conhecimento de tudo que a dança pode trazer de benefícios à sua vida,  largue a preguiça e a inércia e comece a movimentar o seu corpo. Pois além de se tornar uma pessoa mais inteligente, você se tornará uma pessoa mais feliz! Eu garanto!

 

(Matéria publicada originalmente no blog Radar da Produção)

Autoria: Liana Vasconcelos

Fonte: Blog Radar da Produção

Dança dos Noivos

A primeira dança do casal é um momento marcante da festa. Pra ficar ainda melhor, que tal fazer umas aulas de dança aqui na Dance sempre e surpreender?

Músicas bem escolhidas, aliadas a belas coreografias, atraem a atenção dos convidados e causam admiração em quem assiste.

Mesmo que a opção seja a tradicional valsa dos noivos, o ensaios farão com que vocês se soltem e dancem de uma forma mais bonita e elegante, sem precisar ficar só no “dois pra lá e dois pra cá”.

DANÇA-DOS-NOIVOS

8 dicas para arrasar na primeira dança

1- Escolham a música com bastante antecedência para que tenham tempo de ensaiar.

2- Entrem em contato com a Dance Sempre para agendar as aulas, que podem ser no dia e horário que vocês quiserem.

3- Deixem a timidez de lado e se soltem para surpreender ainda mais os espectadores, porém se vocês são muito tímidos  evitem performances muito exageradas e escolham uma música bonita com passos simples.

4- Ao escolher uma música e elaborar a coreografia, vejam se os passos são possíveis de serem executados com o modelo do vestido escolhido ou se é possível uma troca de vestido.

5- Permita que o professor oriente vocês sobre o que fazer de acordo com o preparo físico de cada um.

6- Evitem comentar com os amigos e parentes sobre a música escolhida, a surpresa será ainda melhor.

7- Oriente a cerimonialista para que não deixem as crianças invadirem a pista na hora da entrada de vocês, crianças dançando são bonitinhas e sempre roubam a cena.

8- Mesmo que algum passo saia errado na hora, mantenham uma postura confiante e continuem dançando como se nada tivessem acontecido, afinal ninguém, além de vocês saberá que algum passo saiu errado. Aqui na Dance Sempre editamos a música que o casal desejar, até que ela fique perfeita ao gosto de vocês, sem nenhum custo adicional!

Sugestões de música para a dança dos noivos:

Tendências:

Ed Sheeran – Thinking Out Loud

Christina Perri – A Thousand Years

Valsas tradicionais

Danúbio azul – Johann Strauss

Valsa do imperador – Johann Strauss

Contos dos Bosques de Viena – Johann Strauss

Tangos

Por una Cabeza – Carlos Gardel

El tango de Roxanne

Encanto Rojo – Fabio Hager

Valsa Maluca

Boleros:

She will be loved – Maroon 5

Besame Mucho – Consuelo Velasquez

Você é linda – Caetano Veloso

Para mais sugestões entre em contato com a gente! Telefone: 41 30762122 Whatsapp: 4198865633 [email protected] |  www.dancesempre.com

10 motivos para você aprender dança de salão

Dança de salão Ser saudável envolve vários fatores, os principais deles são alimentação balanceada e exercício físico. Para os que não gostam muito dos exercícios tradicionais das academias, mas querem praticar alguma atividade, uma opção é a dança de salão. Antes que você se imagine dançando no “Baile da Saudade” com o seu avô, saiba que a prática está ganhando espaço e conquistando gente de todas as idades. Os ritmos da dança de salão vão desde os clássicos tango e bolero, até os latinos samba, salsa, zouk e os “badalados” forró e sertanejo. Existem inúmeros motivos para aprender dança de salão, confira 10 motivos para você se matricular em uma aula de dança de salão ainda hoje:

1. Dançar faz bem para a saúde: aumenta a frequência cardíaca, estimula a circulação do sangue e melhora a capacidade respiratória;

2. Além das aulas, a dança de salão é uma atividade a dois: aumente seu círculo de amizades;

3. Acolhe todo mundo: não existe restrição de idade, sexo ou tipo de corpo;

4. Autoconhecimento: você passa a conhecer melhor seu corpo quando dança;

5. Emagrece! Uma aula de dança de salão pode queimar até 700 calorias;

6. Depois de um dia estressante de trabalho, dançar relaxa;

7. Aumenta a autoestima: quando você dança, mais pessoas olham para você; 8. Vence timidez e ganha mais confiança;

9. Trabalha a postura, a agilidade e a coordenação motora;

10. Dançar aumenta a qualidade de vida e te faz mais feliz. Experimente!

Então não perca mais tempo e venha pra Dance Sempre!

Workshop Juliana Kis

Informações:
Informações:

HIP HOP EXPERIMENTAL

Após imergir em um núcleo de pesquisa em dança contemporânea por alguns anos, a coreógrafa e bailarina Juliana Kis passou a desenvolver esta aula de Hip Hop experimental, trabalhando o Hip hop com um olhar mais contemporâneo. Consiste em uma versão mais fluida e interpretativa das danças urbanas, sendo que na maioria das vezes, utiliza-se de músicas mais lentas e contemporâneas. Com o foco ainda na musicalidade, o que diferencia esta aula do padrão é que os dançarinos, através de uma sequência coreográfica interpretam a música de uma outra maneira, com o intuito de expressar uma história e/ou um conceito.

 

HEELS CLASS

Inspirada nas cantoras pops, consideradas as divas da atualidade, Beyoncé, Madonna, Rihanna, entre outras, a aula de Heels (também conhecida como Stiletto) é dançada em cima do salto alto, e tem seu foco na sensualidade e elegância. É uma modalidade bastante comercial, que está cada vez mais popular e ganhando novos admiradores. Trabalha a postura e o equilíbrio resultando uma melhora na autoestima e confiança.

 

 

PERFORMANCE CLASS

Recém chegada de Los Angeles, a coreógrafa e bailarina Juliana Kis esta desenvolvendo este módulo de “Performance Class” que possui o intuito de trabalhar não somente o corpo mas também a mente do bailarino. O objetivo principal desta aula é que através de propostas diferentes do habitual seja possível desenvolver a dança de uma maneira mais performática, valorizando a particularidade e individualidade de cada bailarino.

Voltada para bailarinos, que preferencialmente já tenham um tempo mínimo de experiência com dança. Faixa etária acima de 14 anos.