Arquivos mensais: setembro 2015

Top 10 filmes sobre dança

mosaico-filmes-danca

Há filmes que mexem conosco e há filmes que mexem conosco literalmente! A magia da dança sempre contagiou os realizadores de Hollywood, que não se cansaram de produzir histórias dançantes com atores naturalmente talentosos e outros que tiveram de aprender a dançar para nos mostrarem o que valem e que,  não se saíram nada mal.

1. Saturday Night Fever – “Febre de Sábado à Noite” (1977)

saturday-night-fever John Travolta, no papel de Tony Manero é um mecânico que se transforma em um dançarino aplaudido, nas fervorosas noites de sábado nos loucos anos 70. Claro que uma pista de dança não está completa sem um par, por isso, Tony conhece Stephanie (Karen Lynn Gorney) e juntos competem numa prova de dança, apoiando-se mutuamente para que possam perseguir os seus sonhos, tanto dentro como fora das discotecas. Numa época em que reinava o poliéster, as calças  boca-de-sino e as bolas espelhadas, ainda há muito para se aprender.

2. Flashdance (1983)

flashdanceO clássico de todos os clássicos e um fiel retrato dos anos 80, Flashdance conta a história da Alex Owens (Jennifer Beals), uma mulher que de dia trabalha como soldadora e à noite é dançarina, enquanto sonha conseguir um lugar numa prestigiada companhia de dança. Motivada pelo seu chefe/namorado, Nick Hurley (Michael Nouri), Alex dança até não poder mais, até concretizar o seu sonho.

3. Strictly Ballroom (1992)

strictly-ballroomSe você adora danças de salão, este filme é para você. Não falta nada nesta comédia romântica australiana – desde roupas e sapatos fantásticos, a coreografias cativantes  – onde o dançarino profissional Scott Hastings (Paul Mercurio) e a sua aprendiza Fran (Tara Morice) ousam desafiar todas as convenções das tradicionais danças de salão.

4. Dirty Dancing (1997)

dirty-dancingUm clássico que dispensa apresentações, ao som da música e com a paixão pela arte de dançar a correr-lhes pelas veias, Francis “Baby” Houseman (Jennifer Grey) e Johnny Castle (Patrick Swayze) sabem o que estão a fazer e querem que o mundo saiba. Francis é uma jovem proveniente de uma família prestigiada que se apaixona pelo seu instrutor de dança, Johnny, num campo de férias. O resto, como se costuma dizer, é dança

5. Dance With Me (1998)

dance-with-meNum filme romanticamente latino, não podia faltar uma boa dose de dança sensual. Com a morte da mãe, o cubano Rafael parte para Houston em busca do seu pai, John, que desconhece a sua existência. John é dono de um estúdio de dança que fervilha com a excitação e os preparativos em torno de um campeonato que vai decorrer em Las Vegas. E como filho de peixe sabe nadar, Rafael mostra que nasceu para dançar, lado a lado com a estrela do estúdio Ruby, protagonizada pela bela Vanessa Williams. Com muitos ensaios, vários estilos e coreografias espetaculares, este é o filme que o vai levar a inscrever-se finalmente em aulas de dança.

6. Center Stage (2000)

center-stageNo meio do palco deste filme estão três jovens – Jodie, Eva e Maureen – que procuram o sucesso e a fama na prestigiada Academia Americana de Ballet… e depressa aprendem que a dança está cheia de obstáculos inesperados. Os movimentos, poses, posturas e trabalho de pés extraordinário é uma lufada de ar fresco que vai deixar todos a desejar terem dançado pelo mesmo caminho artístico. Acima de tudo, esta história mostra que a dança tem de ser um prazer e não um dever… aliás é mesmo assim que a imaginamos, não é?

7. Save the Last Dance – “Ao Ritmo do Hip-Hop” (2001)

save-the-last-danceDepois da morte da mãe, Sara (Julia Stiles) vê-se obrigada a ir viver com o pai. Consumida pelos remorsos – a mãe morreu num acidente de viação a caminho de um dos seus espetáculos de dança – a bailarina arruma os seus sapatos… até conhecer Derek (Sean Patrick Thomas), um jovem apaixonado pelo hip-hop e pela vida. Com uma química inquestionável entre ambos, só podiam mesmo entregar-se ao ritmo do hip-hop e não só. Apesar de ser um romance juvenil, a qualidade da dança neste filme é extraordinária…

8. Shall We Dance – Vamos Dançar? (2004)

shall-we-danceJohn Clark (Richard Gere) é um homem que tem tudo, incluindo a felicidade, mas na viagem diária entre o trabalho e a casa, cruza olhares com uma bela mulher num estúdio de dança, o que o leva a inscrever-se no mesmo. A linda Paulina (Jennifer Lopez) que acaba por ser a sua instrutora. John depressa percebe que o que lhe faltava na vida não era um affair, mas sim uma nova paixão… a paixão pela dança. Obcecado com o seu novo hobby, John trava uma amizade sincera com Paulina e começa a treinar para uma importante competição… sempre às escondidas dos familiares e amigos. Claro que a sua mulher Beverly (Susan Sarandon) rapidamente percebe o estranho comportamento do seu marido… será que ela vai aprovar os passos que o marido tem andado a dar?

9. Mad Hot Ballroom (2005)

mad-hot-ballroomQualquer pessoa – nova ou velha, homem ou mulher – pode aprender a dançar: é essa a valiosa e divertida lição deste documentário que registra como um grupo de crianças de 11 anos, provenientes de três escolas públicas de Nova Iorque, aprenderam a dançar em muito pouco tempo. Inicialmente relutantes em entregarem-se ao tango e ao swing,  vê-los transformarem-se em damas e cavaleiros para se apresentarem, com pompa e circunstância, no campeonato final da cidade. De fazer abrir bem os olhos e deixar muitas bocas abertas, talvez esteja aqui a motivação que lhe falta…

10. Step Up (2006)

step-upO acaso junta Tyler Gage, um adolescente rebelde a cumprir serviço comunitário e Nora Clark, uma bailarina de ballet de enorme talento. Ele precisa de encontrar o seu rumo na vida, ela precisa de um parceiro, para convencer, de uma vez por todas, o mundo da dança. Será que a pista os consegue juntar? Realizado por Anne Fletcher e protagonizado por Channing Tatum, Jenna Dewan, Domaine Radcliff, De’shawn Washington, Drew Sidora, Rachael Griffiths, mais de hora e meia de bons ritmos, algum romance e uma cena numa discoteca que não pode perder…

Não perca mais tempo e venha aprender a dançar aqui na Dance Sempre!

Texto publicado originalmente em: http://passobase.com/artigos/top-10-filmes-sobre-danca

Quer se tornar mais inteligente? Então, DANCE!

Sim, é verdade. Quem encarava a dança exclusivamente como uma atividade física, precisa rever os seus conceitos: a dança é um dos meios mais prazerosos de aumentar as suas capacidades cerebrais. Vamos entender o porquê disso? Primeiramente, quando você dança, o seu cérebro “dança” junto com você! Enquanto ele “dança”, está se mantendo saudável e ativo.  Em uma linguagem mais técnica, a “dança” do cérebro promove um aumento da conectividade e da reestruturação entre as várias regiões do cérebro e  seus neurônios, resultando numa comunicação mais eficaz entre eles e consequentemente em um raciocínio mais rápido. Observe como funcionam algumas regiões do cérebro de quem dança:

corebox3* VÉRMIS ANTERIOR – Esta parte do cerebelo recebe informações da medula espinhal e aparentemente age como se fosse um metrônomo, ajudando a sincronizar os passos de dança à música.

* NÚCLEO GENICULADO MEDIAL – Uma interrupção ao longo da via auditiva inferior, esta área aparentemente ajuda a configurar o metrônomo do cérebro e é responsável por nossa tendência para tamborilar os dedos inconscientemente ou balançar o corpo ao ritmo de uma música. Reagimos inconscientemente, pois a região está conectada ao cerebelo, comunicando informações sobre o ritmo sem “falar” com as áreas auditivas superiores no córtex.
* PRECUNEUS – Por conter um mapa baseado nos estímulos sensoriais do próprio corpo, o precuneus ajuda a identificar o trajeto de um dançarino a partir de uma perspectiva voltada para o  corpo, ou egocêntrica.
Jean Piaget, o grande pensador suíço conhecido por organizar o desenvolvimento cognitivo em uma série de estágios, declarou que a inteligência é aquilo que usamos quando não sabemos o que fazer. Logo, para ser inteligente é preciso saber tomar decisões rápidas, certo? Imagine então um casal de tango se movimentando em um salão: cada movimento realizado ali exige uma vasta gama de decisões rápidas, tanto para quem conduz quanto para quem é conduzido.  Pense também em um casal de bailarinos clássicos: a bailarina está sob a ponta dos pés, o que implica em uma mudança de eixo constante a cada movimento que ela realiza. O bailarino, cuja função é segurá-la, precisa ser rápido e perspicaz para acompanhar essa mudança de eixo e conseguir tornar o movimento da bailarina ainda mais leve e suave.
dança-de-salão A dança integra várias funções cerebrais ao mesmo tempo.  Ela envolve simultaneamente processos sinestésicos, racionais, musicais e emocionais. Dançar exige um tipo de coordenação interpessoal no espaço e tempo quase inexistente em outros contextos sociais. Durante um espetáculo, uma bailarina movimenta todos os músculos do seu corpo e muitas vezes, em direções opostas e intensidades diferentes. Apesar de o público ter a impressão de que tudo que ela está fazendo é simples e fácil, o seu cérebro está a todo vapor pensando em cada movimento que precisa ser realizado, tentando esquecer as dores das lesões recorrentes dos treinamentos e ainda por cima, preocupado em transmitir  os sentimentos e as emoções da personagem que ela está interpretando.  A vida dos bailarinos não é nada fácil!
Ainda tem mais, todo bailarino é um pouco músico também, pois consegue executar cada movimento simultaneamente a cada nota musical tocada. Seu corpo é o seu instrumento. É preciso muita atenção e muita concentração para essa conexão rítmica acontecer, o que implica que para dançar também é preciso um enorme autocontrole físico e emocional. Não é a toa que na Antiguidade, os gregos  acreditavam que dos melhores bailarinos se faziam os melhores guerreiros.

Além de todos esses benefícios, ainda existe mais um último: dançar estimula a criatividade.  Vale lembrar que estamos em pleno século XXI, onde ser criativo é pré-requisito para se obter sucesso em qualquer carreira.  O filósofo francês Paul Valéry sintetiza isso em uma única frase: “Um homem de negócios é um cruzamento entre um dançarino e uma máquina de calcular”.

danças-urbanasPortanto, agora que você já tem conhecimento de tudo que a dança pode trazer de benefícios à sua vida,  largue a preguiça e a inércia e comece a movimentar o seu corpo. Pois além de se tornar uma pessoa mais inteligente, você se tornará uma pessoa mais feliz! Eu garanto!

 

(Matéria publicada originalmente no blog Radar da Produção)

Autoria: Liana Vasconcelos

Fonte: Blog Radar da Produção