Arquivo da tag: aulas de tango

Top 10 filmes sobre dança

mosaico-filmes-danca

Há filmes que mexem conosco e há filmes que mexem conosco literalmente! A magia da dança sempre contagiou os realizadores de Hollywood, que não se cansaram de produzir histórias dançantes com atores naturalmente talentosos e outros que tiveram de aprender a dançar para nos mostrarem o que valem e que,  não se saíram nada mal.

1. Saturday Night Fever – “Febre de Sábado à Noite” (1977)

saturday-night-fever John Travolta, no papel de Tony Manero é um mecânico que se transforma em um dançarino aplaudido, nas fervorosas noites de sábado nos loucos anos 70. Claro que uma pista de dança não está completa sem um par, por isso, Tony conhece Stephanie (Karen Lynn Gorney) e juntos competem numa prova de dança, apoiando-se mutuamente para que possam perseguir os seus sonhos, tanto dentro como fora das discotecas. Numa época em que reinava o poliéster, as calças  boca-de-sino e as bolas espelhadas, ainda há muito para se aprender.

2. Flashdance (1983)

flashdanceO clássico de todos os clássicos e um fiel retrato dos anos 80, Flashdance conta a história da Alex Owens (Jennifer Beals), uma mulher que de dia trabalha como soldadora e à noite é dançarina, enquanto sonha conseguir um lugar numa prestigiada companhia de dança. Motivada pelo seu chefe/namorado, Nick Hurley (Michael Nouri), Alex dança até não poder mais, até concretizar o seu sonho.

3. Strictly Ballroom (1992)

strictly-ballroomSe você adora danças de salão, este filme é para você. Não falta nada nesta comédia romântica australiana – desde roupas e sapatos fantásticos, a coreografias cativantes  – onde o dançarino profissional Scott Hastings (Paul Mercurio) e a sua aprendiza Fran (Tara Morice) ousam desafiar todas as convenções das tradicionais danças de salão.

4. Dirty Dancing (1997)

dirty-dancingUm clássico que dispensa apresentações, ao som da música e com a paixão pela arte de dançar a correr-lhes pelas veias, Francis “Baby” Houseman (Jennifer Grey) e Johnny Castle (Patrick Swayze) sabem o que estão a fazer e querem que o mundo saiba. Francis é uma jovem proveniente de uma família prestigiada que se apaixona pelo seu instrutor de dança, Johnny, num campo de férias. O resto, como se costuma dizer, é dança

5. Dance With Me (1998)

dance-with-meNum filme romanticamente latino, não podia faltar uma boa dose de dança sensual. Com a morte da mãe, o cubano Rafael parte para Houston em busca do seu pai, John, que desconhece a sua existência. John é dono de um estúdio de dança que fervilha com a excitação e os preparativos em torno de um campeonato que vai decorrer em Las Vegas. E como filho de peixe sabe nadar, Rafael mostra que nasceu para dançar, lado a lado com a estrela do estúdio Ruby, protagonizada pela bela Vanessa Williams. Com muitos ensaios, vários estilos e coreografias espetaculares, este é o filme que o vai levar a inscrever-se finalmente em aulas de dança.

6. Center Stage (2000)

center-stageNo meio do palco deste filme estão três jovens – Jodie, Eva e Maureen – que procuram o sucesso e a fama na prestigiada Academia Americana de Ballet… e depressa aprendem que a dança está cheia de obstáculos inesperados. Os movimentos, poses, posturas e trabalho de pés extraordinário é uma lufada de ar fresco que vai deixar todos a desejar terem dançado pelo mesmo caminho artístico. Acima de tudo, esta história mostra que a dança tem de ser um prazer e não um dever… aliás é mesmo assim que a imaginamos, não é?

7. Save the Last Dance – “Ao Ritmo do Hip-Hop” (2001)

save-the-last-danceDepois da morte da mãe, Sara (Julia Stiles) vê-se obrigada a ir viver com o pai. Consumida pelos remorsos – a mãe morreu num acidente de viação a caminho de um dos seus espetáculos de dança – a bailarina arruma os seus sapatos… até conhecer Derek (Sean Patrick Thomas), um jovem apaixonado pelo hip-hop e pela vida. Com uma química inquestionável entre ambos, só podiam mesmo entregar-se ao ritmo do hip-hop e não só. Apesar de ser um romance juvenil, a qualidade da dança neste filme é extraordinária…

8. Shall We Dance – Vamos Dançar? (2004)

shall-we-danceJohn Clark (Richard Gere) é um homem que tem tudo, incluindo a felicidade, mas na viagem diária entre o trabalho e a casa, cruza olhares com uma bela mulher num estúdio de dança, o que o leva a inscrever-se no mesmo. A linda Paulina (Jennifer Lopez) que acaba por ser a sua instrutora. John depressa percebe que o que lhe faltava na vida não era um affair, mas sim uma nova paixão… a paixão pela dança. Obcecado com o seu novo hobby, John trava uma amizade sincera com Paulina e começa a treinar para uma importante competição… sempre às escondidas dos familiares e amigos. Claro que a sua mulher Beverly (Susan Sarandon) rapidamente percebe o estranho comportamento do seu marido… será que ela vai aprovar os passos que o marido tem andado a dar?

9. Mad Hot Ballroom (2005)

mad-hot-ballroomQualquer pessoa – nova ou velha, homem ou mulher – pode aprender a dançar: é essa a valiosa e divertida lição deste documentário que registra como um grupo de crianças de 11 anos, provenientes de três escolas públicas de Nova Iorque, aprenderam a dançar em muito pouco tempo. Inicialmente relutantes em entregarem-se ao tango e ao swing,  vê-los transformarem-se em damas e cavaleiros para se apresentarem, com pompa e circunstância, no campeonato final da cidade. De fazer abrir bem os olhos e deixar muitas bocas abertas, talvez esteja aqui a motivação que lhe falta…

10. Step Up (2006)

step-upO acaso junta Tyler Gage, um adolescente rebelde a cumprir serviço comunitário e Nora Clark, uma bailarina de ballet de enorme talento. Ele precisa de encontrar o seu rumo na vida, ela precisa de um parceiro, para convencer, de uma vez por todas, o mundo da dança. Será que a pista os consegue juntar? Realizado por Anne Fletcher e protagonizado por Channing Tatum, Jenna Dewan, Domaine Radcliff, De’shawn Washington, Drew Sidora, Rachael Griffiths, mais de hora e meia de bons ritmos, algum romance e uma cena numa discoteca que não pode perder…

Não perca mais tempo e venha aprender a dançar aqui na Dance Sempre!

Texto publicado originalmente em: http://passobase.com/artigos/top-10-filmes-sobre-danca

Um pouco da história do Tango

Confira os horários das aulas de tango em nosso site www.dancesempre.com/horarios

A dança, assim como as demais manifestações artísticas, é uma via de expressão capaz de representar diferentes idéias. A cada novo tipo de dança, perpetuam-se valores que fazem de um determinado estilo dançante sinônimo de determinados sentimentos. Na Argentina, o tango tornou-se sinônimo de paixão, melancolia e tristeza. Conforme sentencia uma famosa expressão “o tango é um pensamento triste que se pode dançar”. No entanto, ao contrário do que pensamos, o tango não “nasceu” triste e argentino.

Ao longo do século XIX, a jovem nação argentina incentivou a entrada de imigrantes europeus no país para que os mesmos pudessem ampliar a mão-de-obra disponível e, conforme relatos da época, “refinar” a cultura pelo contato com espanhóis, franceses, poloneses e italianos. Dos contingentes trazidos para ocupar novos postos de trabalho na Argentina, formou-se uma imensa população masculina que deixava a família para tentar a sorte em terras estrangeiras. Em pouco tempo, o excedente populacional masculino possibilitou a abertura de diversos prostíbulos no país.

De acordo com recentes pesquisas, no final do século XIX, só a capital Buenos Aires contava com mais de 200 casas de prostituição. A procura pelas prostitutas era tão grande que os homens faziam fila à espera de fácil prazer sexual. Foi quando, a grande circulação de pessoas nas casas de prostituição argentinas deu espaço para a encenação de números musicais enquanto os clientes esperavam a sua vez. Nesse instante, apareciam grupos que intercambiavam suas distintas experiências musicais. A polca europeia, a havaneira cubana, o candombe uruguaio e a milonga espanhola firmaram o nascimento do tango argentino.

Em seus primeiros anos, o tango era formado por um trio musical executante de ritmos mais acelerados e os passos de dança tinham muita sensualidade. Só mais tarde que os tangos começaram a ganhar suas primeiras letras. Fazendo jus ao seu local de origem, as primeiras letras descreviam situações libidinosas sobre os prostíbulos e as meretrizes. Por isso, durante algum tempo, o tango era sinônimo de imoralidade. As pessoas de “boa índole” tinham verdadeira aversão à prática desse tipo de música dançante. No entanto, os imigrantes que voltavam para Europa tinham popularizado o estilo, principalmente na cidade de Paris.

Os diversos ataques contra o tango perderam força mediante a popularização e as transformações sofridas com a chegada do ritmo à Europa. Atacado ainda por religiosos, o tango chegou a ser dançado para o papa Pio X, para que o mesmo julgasse suas características. Aprovado por Vossa Santidade e influenciado pela escola européia, o tango começou a ganhar um ritmo mais lento e passos mais cadenciados. No início do século XX, as letras começam a incorporar temáticas para fora do prostíbulo. Tempos depois veio a ser considerado uma expressão típica artística de “todos” argentinos.

Saindo dos prostíbulos para os salões de festa, o tango alcançou sua máxima popularização com o estrondoso sucesso do cantor Carlos Gardel. Sendo conhecido como uma dos mais famosos cantores de tango, Gardel mostrou sua música nos palcos e internacionalizou sua arte com a gravação do filme “El Dia Que Me Quieras”. Ainda hoje, o tango é uma das expressões artísticas mais conhecidas na Argentina e seus espetáculos atraem turistas de todo o mundo.

Fonte: http://www.historiadomundo.com.br/idade-contemporanea/historia-do-tango.htm