Arquivo da tag: Dance Sempre

Dança do Ventre, 10 motivos para praticar!

dançadoventre1

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

1 – Perca a timidez e faça novas amigas!
As aulas de dança do ventre farão com que você desenvolva a sua capacidade de se relacionar mais em grupo, já que ao dançar você terá que deixar a timidez de lado e socializar com suas colegas de aula e logo com o publico que futuramente irá prestigia-la.

2 – Desperte sua Sensualidade.
Esta dança vai despertar ainda mais a sua feminilidade, a sutileza e os movimentos leves da dança irão fazer aflorar ainda mais a essência de ser mulher, não há outra dança que trabalhe tão bem esse aspecto como a dança do ventre.

3 – Autoestima Imbatível!
Esta modalidade trabalha a mulher de dentro para fora e vai melhorar a sua autoestima, e fazer você gostar cada dia mais do seu corpo.

4 – Melhore sua Consciência Corporal.
Você vai melhorar e muito a sua consciência corporal e sua coordenação motora, afinal não é fácil isolar as partes de seu corpo fazendo movimentos diferenciados, a dança do ventre exige concentração e muita habilidade e em 3 meses você já vai sentir a diferença.

5 – Modele seu Corpo.
Os exercícios de uma aula de Dança do Ventre são capazes de tonificar e enrijecer músculos dos braços e do abdômen, afinar a cintura e fortalecer diversas partes de seu corpo, além de queimar calorias, então se associado a uma alimentação balanceada leva ao emagrecimento.

6 – Torne-se mais Flexível.
Um corpo flexível significa mais saúde e bem-estar, pois diminui os riscos de lesões, sendo assim é inegável a importância da flexibilidade para uma boa performance na dança do ventre pois a modalidade requer uma alta solicitação de movimentos de rotação externa, flexão, extensão do quadril além de outras partes do corpo, então a pratica regular irá melhorar e muito sua flexibilidade.

7 – Promoção da Saúde.
A prática regular aumenta a circulação sanguínea, relaxa o corpo, alivia a insônia e a prisão de ventre além de combater o estresse.

8 – Saúde Física e Mental.
Dançar desenvolve o raciocínio rápido, desenvolve a criatividade e auxilia na liberação da endorfina que é o hormônio que promove o bem estar e o prazer.

9 – Felicidade Plena.
É comprovado que dançar combate a depressão, estimula o convívio social melhora o humor e aumenta a alegria de viver.

10 – O melhor de tudo!
Dançar não tem idade.
Não há limite para começar a dançar, toda mulher pode praticar Dança do Ventre aos 13, 20, 30, 40, 60…

Então vamos começar? Aqui na Dance Sempre você tem variedade de horários, planos flexíveis para praticar!

Confira os horários em http://dancesempre.com/horario/danca-do-ventre e venha fazer uma aula experimental gratuita!

O que dançar traz de bom para a vida?

o-que-dancar-traz-de-bom-para-a-vidaPor Flavia Paradela

Antes de elaborar qualquer alfabeto escrito, o ser humano dispunha de uma complexa ferramenta, porém de infinitas possibilidades de expressão: o corpo.
Usando a emissão de sons guturais ou monossilábicos, explorando seu gestual de forma espontânea ou codificada, os primeiros habitantes da Terra buscaram comunicação entre si e com o Incognoscível.

Dançar para conseguir a caça (o alimento), dançar para os deuses e deusas da natureza, dançar para a procriação, dançar para a guerra, para comemorar a colheita.
Assim como criaram utensílios que facilitassem as atividades diárias, hoje recebendo a denominação de objeto de arte nos museus, a dança era parte integrante da vida nos primeiros tempos, antes de ser projetada para espaços específicos para sua apreciação.

dançarOnde foi que perdemos a conexão com o nosso corpo e com o movimento inerente a ele?

Uma das explicações pode estar em quando o homem deixa o nomadismo para fixar-se em lugares onde possa cultivar ou extrair algo, criando sua prole, listando agregados, e assim elaborando ações que organizem estes pequenos grupos que aí se formam, já esboçando o que entenderíamos como sociedade posteriormente.

Na Grécia, berço de muitas ideias que temos permeado em nosso tempo desde então, surge o conceito de sociedade, com leis que determinam quem é cidadão, seus direitos e deveres, qual a posição de cada elemento neste contexto e suas funções.

No início tínhamos o comando das tribos através do matriarcado, onde respeito e sabedoria eram recebidos com reverência e não aceitos através do medo, injetado com a ocupação pelo patriarcado.

No matriarcado, a ideia de união do masculino e feminino em cada ser era algo natural, enquanto no patriarcado é feito um corte, soterrando o culto à Grande Deusa e todos os rituais (incluindo a dança como forma de oração) a ela relacionados, segregando estas partes, que por si só são inseparáveis.

Hoje, apesar de ainda vivermos tantas formas de preconceito, há uma abertura de consciência entre homens e mulheres, mesmo que tardiamente, onde se permitem vivenciar seu gesto, corpo, movimento nas mais variadas modalidades de dança existentes.

Deixando um pouco de lado a busca estética da dança, que se conquista através de maior disponibilidade de tempo para treino contínuo, o ato de dançar contribui para um movimento energético interno, fazendo circular o que estava parado, aumentando o fluxo de respiração, oxigenação do cérebro, ligações sinápticas, propiciando um mover-se mais fluído, pensamentos mais claros, coerência entre mente e gesto.

balletDançar provoca ainda um olhar mais atento para tudo ao nosso redor, assim como o que nos acomete pelo lado de dentro: onde estão os pontos fracos e fortes, onde há maior rigidez ou flexibilidade, quais canais de percepção atuantes, o que de ambos os lados (dentro e fora de mim) se repelem ou se aproximam e que são combustíveis para o agir ou não-agir.

 

Dançar propicia a integração. O eu comigo mesmo, o eu com o outro, o eu com o mundo.

Somos todos, peças de uma mesma engrenagem, que está em constante movimento e sempre faz a cada um o convite de permitirmo-nos as infinitas possibilidades que a vida oferece a cada instante.

Estagnação foi um conceito criado e cultuado pelo homem, porém, o Universo cria sua própria dança sempre que o movimento se faz necessário.

Reconhecer que há em si a porção masculina e feminina, cada um com as atribuições que lhe são específicas, porém complementares, é parte deste processo de integração.

Aproximar mente-corpo-espírito é unir elos fundamentais para uma vida criativa, próspera, equilibrada, e a dança nos dá este caminho.

Sabe aquela música que quando vocês ouvem sempre uma parte do seu corpo se manifesta, convidando-o a dançar? Pois então! Coloque-a em alto e bom som (mesmo que com fones de ouvido para não perturbar o vizinho) e ponha-se à mexer, sem se importar com considerações de qualquer natureza.

O melhor de tudo será a sensação de alegria e bem estar que isto trará a você!

Dance por qualquer razão, pois o corpo não cria distinção ao expressar-se, e sim viabiliza a inclusão do que faz uma totalidade.

Por Equipe Instituto Biosegredo

Fonte: http://horoscopovirtual.uol.com.br/artigos/o-que-dancar-traz-de-bom-para-a-vida

Top 10 filmes sobre dança

mosaico-filmes-danca

Há filmes que mexem conosco e há filmes que mexem conosco literalmente! A magia da dança sempre contagiou os realizadores de Hollywood, que não se cansaram de produzir histórias dançantes com atores naturalmente talentosos e outros que tiveram de aprender a dançar para nos mostrarem o que valem e que,  não se saíram nada mal.

1. Saturday Night Fever – “Febre de Sábado à Noite” (1977)

saturday-night-fever John Travolta, no papel de Tony Manero é um mecânico que se transforma em um dançarino aplaudido, nas fervorosas noites de sábado nos loucos anos 70. Claro que uma pista de dança não está completa sem um par, por isso, Tony conhece Stephanie (Karen Lynn Gorney) e juntos competem numa prova de dança, apoiando-se mutuamente para que possam perseguir os seus sonhos, tanto dentro como fora das discotecas. Numa época em que reinava o poliéster, as calças  boca-de-sino e as bolas espelhadas, ainda há muito para se aprender.

2. Flashdance (1983)

flashdanceO clássico de todos os clássicos e um fiel retrato dos anos 80, Flashdance conta a história da Alex Owens (Jennifer Beals), uma mulher que de dia trabalha como soldadora e à noite é dançarina, enquanto sonha conseguir um lugar numa prestigiada companhia de dança. Motivada pelo seu chefe/namorado, Nick Hurley (Michael Nouri), Alex dança até não poder mais, até concretizar o seu sonho.

3. Strictly Ballroom (1992)

strictly-ballroomSe você adora danças de salão, este filme é para você. Não falta nada nesta comédia romântica australiana – desde roupas e sapatos fantásticos, a coreografias cativantes  – onde o dançarino profissional Scott Hastings (Paul Mercurio) e a sua aprendiza Fran (Tara Morice) ousam desafiar todas as convenções das tradicionais danças de salão.

4. Dirty Dancing (1997)

dirty-dancingUm clássico que dispensa apresentações, ao som da música e com a paixão pela arte de dançar a correr-lhes pelas veias, Francis “Baby” Houseman (Jennifer Grey) e Johnny Castle (Patrick Swayze) sabem o que estão a fazer e querem que o mundo saiba. Francis é uma jovem proveniente de uma família prestigiada que se apaixona pelo seu instrutor de dança, Johnny, num campo de férias. O resto, como se costuma dizer, é dança

5. Dance With Me (1998)

dance-with-meNum filme romanticamente latino, não podia faltar uma boa dose de dança sensual. Com a morte da mãe, o cubano Rafael parte para Houston em busca do seu pai, John, que desconhece a sua existência. John é dono de um estúdio de dança que fervilha com a excitação e os preparativos em torno de um campeonato que vai decorrer em Las Vegas. E como filho de peixe sabe nadar, Rafael mostra que nasceu para dançar, lado a lado com a estrela do estúdio Ruby, protagonizada pela bela Vanessa Williams. Com muitos ensaios, vários estilos e coreografias espetaculares, este é o filme que o vai levar a inscrever-se finalmente em aulas de dança.

6. Center Stage (2000)

center-stageNo meio do palco deste filme estão três jovens – Jodie, Eva e Maureen – que procuram o sucesso e a fama na prestigiada Academia Americana de Ballet… e depressa aprendem que a dança está cheia de obstáculos inesperados. Os movimentos, poses, posturas e trabalho de pés extraordinário é uma lufada de ar fresco que vai deixar todos a desejar terem dançado pelo mesmo caminho artístico. Acima de tudo, esta história mostra que a dança tem de ser um prazer e não um dever… aliás é mesmo assim que a imaginamos, não é?

7. Save the Last Dance – “Ao Ritmo do Hip-Hop” (2001)

save-the-last-danceDepois da morte da mãe, Sara (Julia Stiles) vê-se obrigada a ir viver com o pai. Consumida pelos remorsos – a mãe morreu num acidente de viação a caminho de um dos seus espetáculos de dança – a bailarina arruma os seus sapatos… até conhecer Derek (Sean Patrick Thomas), um jovem apaixonado pelo hip-hop e pela vida. Com uma química inquestionável entre ambos, só podiam mesmo entregar-se ao ritmo do hip-hop e não só. Apesar de ser um romance juvenil, a qualidade da dança neste filme é extraordinária…

8. Shall We Dance – Vamos Dançar? (2004)

shall-we-danceJohn Clark (Richard Gere) é um homem que tem tudo, incluindo a felicidade, mas na viagem diária entre o trabalho e a casa, cruza olhares com uma bela mulher num estúdio de dança, o que o leva a inscrever-se no mesmo. A linda Paulina (Jennifer Lopez) que acaba por ser a sua instrutora. John depressa percebe que o que lhe faltava na vida não era um affair, mas sim uma nova paixão… a paixão pela dança. Obcecado com o seu novo hobby, John trava uma amizade sincera com Paulina e começa a treinar para uma importante competição… sempre às escondidas dos familiares e amigos. Claro que a sua mulher Beverly (Susan Sarandon) rapidamente percebe o estranho comportamento do seu marido… será que ela vai aprovar os passos que o marido tem andado a dar?

9. Mad Hot Ballroom (2005)

mad-hot-ballroomQualquer pessoa – nova ou velha, homem ou mulher – pode aprender a dançar: é essa a valiosa e divertida lição deste documentário que registra como um grupo de crianças de 11 anos, provenientes de três escolas públicas de Nova Iorque, aprenderam a dançar em muito pouco tempo. Inicialmente relutantes em entregarem-se ao tango e ao swing,  vê-los transformarem-se em damas e cavaleiros para se apresentarem, com pompa e circunstância, no campeonato final da cidade. De fazer abrir bem os olhos e deixar muitas bocas abertas, talvez esteja aqui a motivação que lhe falta…

10. Step Up (2006)

step-upO acaso junta Tyler Gage, um adolescente rebelde a cumprir serviço comunitário e Nora Clark, uma bailarina de ballet de enorme talento. Ele precisa de encontrar o seu rumo na vida, ela precisa de um parceiro, para convencer, de uma vez por todas, o mundo da dança. Será que a pista os consegue juntar? Realizado por Anne Fletcher e protagonizado por Channing Tatum, Jenna Dewan, Domaine Radcliff, De’shawn Washington, Drew Sidora, Rachael Griffiths, mais de hora e meia de bons ritmos, algum romance e uma cena numa discoteca que não pode perder…

Não perca mais tempo e venha aprender a dançar aqui na Dance Sempre!

Texto publicado originalmente em: http://passobase.com/artigos/top-10-filmes-sobre-danca

Dança dos Noivos

A primeira dança do casal é um momento marcante da festa. Pra ficar ainda melhor, que tal fazer umas aulas de dança aqui na Dance sempre e surpreender?

Músicas bem escolhidas, aliadas a belas coreografias, atraem a atenção dos convidados e causam admiração em quem assiste.

Mesmo que a opção seja a tradicional valsa dos noivos, o ensaios farão com que vocês se soltem e dancem de uma forma mais bonita e elegante, sem precisar ficar só no “dois pra lá e dois pra cá”.

DANÇA-DOS-NOIVOS

8 dicas para arrasar na primeira dança

1- Escolham a música com bastante antecedência para que tenham tempo de ensaiar.

2- Entrem em contato com a Dance Sempre para agendar as aulas, que podem ser no dia e horário que vocês quiserem.

3- Deixem a timidez de lado e se soltem para surpreender ainda mais os espectadores, porém se vocês são muito tímidos  evitem performances muito exageradas e escolham uma música bonita com passos simples.

4- Ao escolher uma música e elaborar a coreografia, vejam se os passos são possíveis de serem executados com o modelo do vestido escolhido ou se é possível uma troca de vestido.

5- Permita que o professor oriente vocês sobre o que fazer de acordo com o preparo físico de cada um.

6- Evitem comentar com os amigos e parentes sobre a música escolhida, a surpresa será ainda melhor.

7- Oriente a cerimonialista para que não deixem as crianças invadirem a pista na hora da entrada de vocês, crianças dançando são bonitinhas e sempre roubam a cena.

8- Mesmo que algum passo saia errado na hora, mantenham uma postura confiante e continuem dançando como se nada tivessem acontecido, afinal ninguém, além de vocês saberá que algum passo saiu errado. Aqui na Dance Sempre editamos a música que o casal desejar, até que ela fique perfeita ao gosto de vocês, sem nenhum custo adicional!

Sugestões de música para a dança dos noivos:

Tendências:

Ed Sheeran – Thinking Out Loud

Christina Perri – A Thousand Years

Valsas tradicionais

Danúbio azul – Johann Strauss

Valsa do imperador – Johann Strauss

Contos dos Bosques de Viena – Johann Strauss

Tangos

Por una Cabeza – Carlos Gardel

El tango de Roxanne

Encanto Rojo – Fabio Hager

Valsa Maluca

Boleros:

She will be loved – Maroon 5

Besame Mucho – Consuelo Velasquez

Você é linda – Caetano Veloso

Para mais sugestões entre em contato com a gente! Telefone: 41 30762122 Whatsapp: 4198865633 [email protected] |  www.dancesempre.com

10 motivos para você aprender dança de salão

Dança de salão Ser saudável envolve vários fatores, os principais deles são alimentação balanceada e exercício físico. Para os que não gostam muito dos exercícios tradicionais das academias, mas querem praticar alguma atividade, uma opção é a dança de salão. Antes que você se imagine dançando no “Baile da Saudade” com o seu avô, saiba que a prática está ganhando espaço e conquistando gente de todas as idades. Os ritmos da dança de salão vão desde os clássicos tango e bolero, até os latinos samba, salsa, zouk e os “badalados” forró e sertanejo. Existem inúmeros motivos para aprender dança de salão, confira 10 motivos para você se matricular em uma aula de dança de salão ainda hoje:

1. Dançar faz bem para a saúde: aumenta a frequência cardíaca, estimula a circulação do sangue e melhora a capacidade respiratória;

2. Além das aulas, a dança de salão é uma atividade a dois: aumente seu círculo de amizades;

3. Acolhe todo mundo: não existe restrição de idade, sexo ou tipo de corpo;

4. Autoconhecimento: você passa a conhecer melhor seu corpo quando dança;

5. Emagrece! Uma aula de dança de salão pode queimar até 700 calorias;

6. Depois de um dia estressante de trabalho, dançar relaxa;

7. Aumenta a autoestima: quando você dança, mais pessoas olham para você; 8. Vence timidez e ganha mais confiança;

9. Trabalha a postura, a agilidade e a coordenação motora;

10. Dançar aumenta a qualidade de vida e te faz mais feliz. Experimente!

Então não perca mais tempo e venha pra Dance Sempre!

Workshop Juliana Kis

Informações:
Informações:

HIP HOP EXPERIMENTAL

Após imergir em um núcleo de pesquisa em dança contemporânea por alguns anos, a coreógrafa e bailarina Juliana Kis passou a desenvolver esta aula de Hip Hop experimental, trabalhando o Hip hop com um olhar mais contemporâneo. Consiste em uma versão mais fluida e interpretativa das danças urbanas, sendo que na maioria das vezes, utiliza-se de músicas mais lentas e contemporâneas. Com o foco ainda na musicalidade, o que diferencia esta aula do padrão é que os dançarinos, através de uma sequência coreográfica interpretam a música de uma outra maneira, com o intuito de expressar uma história e/ou um conceito.

 

HEELS CLASS

Inspirada nas cantoras pops, consideradas as divas da atualidade, Beyoncé, Madonna, Rihanna, entre outras, a aula de Heels (também conhecida como Stiletto) é dançada em cima do salto alto, e tem seu foco na sensualidade e elegância. É uma modalidade bastante comercial, que está cada vez mais popular e ganhando novos admiradores. Trabalha a postura e o equilíbrio resultando uma melhora na autoestima e confiança.

 

 

PERFORMANCE CLASS

Recém chegada de Los Angeles, a coreógrafa e bailarina Juliana Kis esta desenvolvendo este módulo de “Performance Class” que possui o intuito de trabalhar não somente o corpo mas também a mente do bailarino. O objetivo principal desta aula é que através de propostas diferentes do habitual seja possível desenvolver a dança de uma maneira mais performática, valorizando a particularidade e individualidade de cada bailarino.

Voltada para bailarinos, que preferencialmente já tenham um tempo mínimo de experiência com dança. Faixa etária acima de 14 anos.

 

 

Um pouco da história do Tango

Confira os horários das aulas de tango em nosso site www.dancesempre.com/horarios

A dança, assim como as demais manifestações artísticas, é uma via de expressão capaz de representar diferentes idéias. A cada novo tipo de dança, perpetuam-se valores que fazem de um determinado estilo dançante sinônimo de determinados sentimentos. Na Argentina, o tango tornou-se sinônimo de paixão, melancolia e tristeza. Conforme sentencia uma famosa expressão “o tango é um pensamento triste que se pode dançar”. No entanto, ao contrário do que pensamos, o tango não “nasceu” triste e argentino.

Ao longo do século XIX, a jovem nação argentina incentivou a entrada de imigrantes europeus no país para que os mesmos pudessem ampliar a mão-de-obra disponível e, conforme relatos da época, “refinar” a cultura pelo contato com espanhóis, franceses, poloneses e italianos. Dos contingentes trazidos para ocupar novos postos de trabalho na Argentina, formou-se uma imensa população masculina que deixava a família para tentar a sorte em terras estrangeiras. Em pouco tempo, o excedente populacional masculino possibilitou a abertura de diversos prostíbulos no país.

De acordo com recentes pesquisas, no final do século XIX, só a capital Buenos Aires contava com mais de 200 casas de prostituição. A procura pelas prostitutas era tão grande que os homens faziam fila à espera de fácil prazer sexual. Foi quando, a grande circulação de pessoas nas casas de prostituição argentinas deu espaço para a encenação de números musicais enquanto os clientes esperavam a sua vez. Nesse instante, apareciam grupos que intercambiavam suas distintas experiências musicais. A polca europeia, a havaneira cubana, o candombe uruguaio e a milonga espanhola firmaram o nascimento do tango argentino.

Em seus primeiros anos, o tango era formado por um trio musical executante de ritmos mais acelerados e os passos de dança tinham muita sensualidade. Só mais tarde que os tangos começaram a ganhar suas primeiras letras. Fazendo jus ao seu local de origem, as primeiras letras descreviam situações libidinosas sobre os prostíbulos e as meretrizes. Por isso, durante algum tempo, o tango era sinônimo de imoralidade. As pessoas de “boa índole” tinham verdadeira aversão à prática desse tipo de música dançante. No entanto, os imigrantes que voltavam para Europa tinham popularizado o estilo, principalmente na cidade de Paris.

Os diversos ataques contra o tango perderam força mediante a popularização e as transformações sofridas com a chegada do ritmo à Europa. Atacado ainda por religiosos, o tango chegou a ser dançado para o papa Pio X, para que o mesmo julgasse suas características. Aprovado por Vossa Santidade e influenciado pela escola européia, o tango começou a ganhar um ritmo mais lento e passos mais cadenciados. No início do século XX, as letras começam a incorporar temáticas para fora do prostíbulo. Tempos depois veio a ser considerado uma expressão típica artística de “todos” argentinos.

Saindo dos prostíbulos para os salões de festa, o tango alcançou sua máxima popularização com o estrondoso sucesso do cantor Carlos Gardel. Sendo conhecido como uma dos mais famosos cantores de tango, Gardel mostrou sua música nos palcos e internacionalizou sua arte com a gravação do filme “El Dia Que Me Quieras”. Ainda hoje, o tango é uma das expressões artísticas mais conhecidas na Argentina e seus espetáculos atraem turistas de todo o mundo.

Fonte: http://www.historiadomundo.com.br/idade-contemporanea/historia-do-tango.htm

Benefícios da dança para a saúde psicológica

1. A dança de salão pode produzir algum benefício psicológico em quem a pratica? Quais?

10888744_998840063465608_7895861498990954685_n

Sim, são muitos. A dança de salão como um conjunto de movimentos harmônico, rítmico e com um parceiro pode cognitivamente estimular a memória, a criatividade, o raciocínio espacial e a linguagem. Fisiologicamente pode regular o estresse, o sono, a ansiedade e diminuir níveis de irritabilidade, dentre outros. Socialmente melhorar a interação social, a autoconfiança, a autoestima, a autoimagem e melhorar habilidades sociais inclusive. Fora a estimulação da inteligência cinética, que é o aprimoramento dos movimentos rítmicos e coordenados do corpo. Já se sabe que determinados atletas são providos desse tipo de inteligência, e a dança de salão pode estimulá-la. Todos esses benefícios ocorrem porque a dança de salão possui meios de estimular psicologicamente o praticante e interferir diretamente em fatores psicopatológicos.

2. A dança é dita por algumas pessoas que a praticam como uma atividade terapêutica. Mas, a dança de fato pode ser indicada como uma atividade terapêutica para algum paciente? Por quê? 

Espetáculo Dance Sempre

Sim, sem dúvida. Em primeiro lugar por proporcionar benefícios psicológicos, sociais e fisiológicos amplos. Em segundo lugar por ser a dança um mecanismo de desenvolvimento psicossocial.  E em terceiro por se tornar um coadjuvante nas psicoterapias. Casais que praticam dança de salão juntos tendem a ser mais compreensivos um com o outro, melhorar a comunicação, modificar a forma com que veem e entendem um ao outro, se tornar mais pacientes e até mesmo levar esses benefícios para a cama. Se o paciente tem dificuldades de se posicionar frente a uma paquera, tem insegurança, autoestima baixa e autoconceito retorcido, a dança de salão pode ser um ótimo potencializador da psicoterapia. Veja que não substitui a psicoterapia, mas se torna coadjuvante.

3.Cite exemplos de casos em que a dança pode ser uma boa recomendação como terapia para o paciente.

Terapia de casal, pessoas com depressão crônica, pacientes com autoestima e autoconceito baixos. Casos de transtorno psicomotor, autismo infantil, pacientes hospitalizados com problemas crônicos. Grávidas com  depressão, dentre outros. Vale lembrar que essas recomendações não devem substituir a psicoterapia, pois pode haver um efeito chamado transferência sintomática, que é quando os sintomas voltam devido à falta de ajuda de um psicoterapeuta. Sozinha a dança tem eficácia em alguns casos, mas a psicoterapia é garantia de uma boa análise da estrutura de personalidade que gera determinados transtornos.

4.Geralmente as pessoas sentem prazer ao dançar. O que acontece no corpo humano que faz com que essa sensação seja sentida no momento da dança?

A interação social e corporal do momento da dança, o exercício físico aeróbio, a manutenção da concentração por um longo período, a descarga hormonal proporcionada pelo exercício físico e etc são mecanismos disparados em todo o  sistema nervoso, o corporal, o muscular, o esquelético e psíquico durante a dança. Descargas de adrenalina e de outros hormônios são responsáveis pela geração do prazer e outros benefícios psicológicos indiretamente.

 Texto de: